Babis Entrevista: Bárbara Monteiro


Quem é leitora do blog sabe que eu gosto muito de ilustrações, desenhos, arte e que participo do grupo Desenh4ndo no Facebook. Lá conheci a Júlia Albertin com quem fiz entrevista aqui, e hoje trago pra vocês mais uma entrevista com outro achado no grupo, a Bárbara Monteiro, minha xará hehe Ela tem apenas 23 anos, é formada em Publicidade e Propaganda e atualmente cursa Design na Universidade de Brasília.

O pessoal que gosta de desenho com certeza conhece os traços dela: os olhos com cílios bem grandes, o rostinho ovalado das bonequinhas, as bochechas. A Bárbara sempre ganha muitas curtidas quando posta no grupo do Desenh4ndo, e não é pra menos, olhem só!
Mostrar mais


Os desenhos da Bárbara são lindos e sempre que os vejo me dá muita vontade de pegar meu lápis e caderno e desenhar também; eles me inspiram muito.

A conversa com ela foi muito boa! A Bárbara é super simpática e faz o trabalho dela com muito amor e sentimento. Navegando pela página dela descobri que ela tem um blog também, onde escreve e posta fotografias. Não falei sobre isso com você Bárbara, mas adorei as fotos!

Fiz umas perguntas para ela e ela foi super atenciosa comigo, fiquei muito feliz quando ela aceitou fazer a entrevista. Vamos lá!

Entrevista 

1 - Você já expôs seu trabalho fora da internet?
Eu já expus na biblioteca do Instituto de Artes de Brasília. Na próxima semana eu irei expor meu trabalho em um encontro de ilustradores aqui em Brasília. Estou me preparando para participar de mais editais e expor minhas peças fisicamente.

2 - Qual é a sensação de ver seu trabalho exposto, os elogios das pessoas? Deve ser muito bom!
Gosto dessa ideia de sair da internet. Trabalho ao vivo é outra coisa, as cores são outras, você pode ver as texturas.
Eu gosto de ver que as pessoas se identificam com o que eu faço, com esse universo. O reconhecimento é o que faz eu me mover, porque eu não faço só para mim, eu faço para as pessoas também. Traduzo coisas nas minhas obras que as vezes eu nem mesma sei conscientemente o que estou dizendo, e é através das pessoas que eu consigo ver.

3 - Você começou a desenhar com quantos anos? Quando decidiu que essa seria sua profissão?
Eu desenho desde sempre, é até engraçado, porque eu tenho lembranças de desenhos feitos por mim quando eu tinha 3 anos, nem sabia falar direito. Desde muito cedo eu já via os desenhos dos outros e queria fazer tão bem quanto eles.

Nunca foi decidido, mas foi algo que veio naturalmente. O desenho me trouxe muitas oportunidades, como o meu primeiro emprego aos 16 anos, como assistente de arte. Acho que no final das contas ele é uma ferramenta que eu uso para me expressar. O desenho me possibilita criar, eu percebo que eu gosto mais de criar do que fazer o desenho em si.

4 - Você tem ilustradores ou artistas em quem se inspira?
A maioria são japoneses, como Takehiko Inoue e Miwa Ueda que fazem parte da minha adolescência. Os atuais são Yoskay Yamamoto, Gustav Klimt, Connie Lim, Conrad Roset e Liz Clements. Mas o que me inspira mesmo não são artistas mas fotografias. Isso foi desde os 16 anos, a Miwa Ueda também usa, dá para notar muito. O Takehiko Inoue também, ele é muito maravilhoso, não dá pra notar muito nos meus trabalhos atuais, mas os narizes e rapazes que eu faço são.

5 - Que legal! Na maioria das vezes eu também me inspiro em fotografias, principalmente nas poses. O que você diria para quem ama desenhar e gostaria de fazer com que isso deixasse de ser um hobby?
Para deixar de ser um hobby é preciso que você estude outras áreas afins, como artes visuais, design e publicidade para que você conheça os possíveis meios de trabalho. Só torna a coisa como profissão quando é encarada com seriedade, por isso é necessário seguir uma linha de estudo e definir o que quer fazer. Não é só saber desenhar, mas conhecer os contextos que abraçam a área, conhecer tudo que for necessário para que faça a diferença. É a mesma coisa em todas as áreas do conhecimento humano, o que venho aprendendo hoje é que as profissões precisam ser interdisciplinares, até nas artes.

Eu gosto muito de arte nas ruas também e a Bárbara já fez interferências com fadinhas e até já aplicou sua arte numa parada de ponto de ônibus! Pra quem não sabe a interferência na paisagem urbana é quando você usa de sua arte para que esta se integre ao lugar. Como as artesãs cearenses que decoram as árvores com crochê.


Encontrem a Bárbara Monteiro:

Fan Page: Fugas Aleatórias | Blog: Fugas Aleatórias | Instagram: @ilustbmon

Novamente eu só tenho agradecer a Bárbara por ter aceitado o convite. Adorei entrevista-lá! Espero que vocês curtam muito a entrevista e a página da Bárbara.
Beijos da Babis (:

Me acompanhe também nas redes sociais
Facebook | Twitter | Instagram | Pinterest | Bloglovin | Youtube 
Arquivado em: